Consumo de carne vermelha traz benefícios ao organismo

Quem não gosta de um bom pedaço de carne? Escolha a carne certa para manter a dieta saudável

 

“Todos os tipos de carnes” são fontes importantes de proteínas de alto valor biológico, ferro e vitaminas do complexo B, principalmente a vitamina B12. Além dessas vitaminas, a carne bovina é rica em cobre.

Poucos alimentos são mais polêmicos que a carne vermelha. Nas últimas décadas, muitas pessoas passaram a colocar sobre ela toda a culpa de problemas alimentares. Isso levou muitas pessoas a optar por cortá-la totalmente do cardápio. Mas atitudes radicais como essa quase nunca fazem bem ao nosso corpo. Novos estudos mostram que a carne vermelha deve fazer parte de nossa dieta. Aqui vai uma lista de como ela é importante para o nosso corpo:

- Carne é muito rica em proteínas. Também oferece ótimos teores de fosfato e aminoácidos que não se encontram em proteínas vegetais. Somente o vegetal não basta para aumentar a força e manter boa performance muscular.

- Carne vermelha é rica em mioglobulina, que promove o transporte de oxigênio para as células musculares. Permite exercícios mais intensos, dá maior clareza mental e sensação de bem-estar, pois também atua como antidepressivo.

- Encontra-se na carne ácido linoléico conjugado, conhecido como CLA, que ajuda a perder peso, promove a queima de gordura e ainda aumenta as defesas do corpo contra o câncer.

- Carne é rica em creatina. Este composto nitrogenado ajuda a restaurar ATP (adenosina trifosfato) após o esforço muscular.

“A recomendação diária do consumo de proteínas é de 10 a 15% do VET (Valor energético total) que varia de pessoa para pessoa. De acordo com a Pirâmide Alimentar Brasileira, para manter uma dieta saudável, recomenda-se 1 porção de carne de 100 gramas” .

- Carne vermelha é superior a frango e peixe como alimento antidepressivo, devido à alta concentração de fenilalanina que apresenta. Este aminoácido ainda reduz o apetite.

- Como ajuda a manter a glicemia mais estável, o consumo de carne vermelha diminui alterações de humor, compulsão alimentar e ajuda a combater a resistência à insulina. É ótima na prevenção e no tratamento do diabetes.

Por isso, a maioria das pessoas que não come nenhum tipo de alimento de origem animal, principalmente a carne vermelha, apresentam carência dessa vitamina em longo prazo se não tomarem suplementos vitamínicos.

Na medida certa

No churrasco com amigos ou até mesmo quando temos aquela carne preferida, sempre temos o exagero na hora de comer. O problema é que comer demais ou até mesmo comer de menos pode prejudicar o organismo. “O excesso de consumo de carnes, principalmente da carne vermelha, pode contribuir para o aumento do colesterol e possíveis problemas cardíacos devido ao elevado teor de gordura saturada”. Já a falta do alimento pode causar visíveis danos à saúde, “como a perda de massa magra, enfraquecimentos de unhas, e cabelo, má regeneração dos tecidos, entre outros”. A carne magra, com pouca presença de gordura, para manter a alimentação equilibrada faz bem.

“O melhor tipo de carne para uma vida saudável é a carne magra, sendo ela de boi, frango ou peixe, mas desde que preparadas de forma adequada, sem frituras ou excesso de gorduras”.

As carnes brancas são melhores devido à redução significativa de gordura na sua fibra muscular quando comparada à carne vermelha. Para cada 100 gramas de carne vermelha encontramos em média de 2 gramas de gordura e a carne de peixe (filé de merluza) contém em média 1 grama de gordura. Mesmo com estas diferenças todas são importantes para uma boa alimentação.

Frita, cozida ou assada?

Depois de escolher a carne magra, é preciso ficar atento na preparação. O uso excessivo de sal pode contribuir para o aumento da pressão arterial e do colesterol. “O processo de cocção-cozimento da carne- favorece a desnaturação das proteínas dos músculos e de suas ligações,

deixando as proteínas mais disponíveis para as enzimas digestivas. Os melhores métodos são assados, grelhadas ou cozidas, pois se utiliza pouco ou nada de gordura adicional, evitando o aumento do valor calórico”.

Opção saudável

A Soja Possui proteína vegetal, podendo substituir o consumo da proteína animal. Outras leguminosas podem entrar no cardápio: feijões variados, lentilha e grão de bico. A vantagem deste tipo de proteína está na menor quantidade de gordura saturada, ausência do colesterol e maior quantidade de fibras. O ideal é ter uma alimentação variada e equilibrada, sem exclusão de nenhum grupo de alimentos. A proteína animal é importante também, sendo uma excelente fonte de proteínas de alto valor biológico e vitamina B12.

Uma dieta sem excesso de calorias ajuda a prevenir diabetes, hipertensão, obesidade, resistência à insulina, reumatismo, impotência sexual, ataque cardíaco, derrame cerebral, câncer e outras doenças degenerativas.

Sobre Lorena Leão

Editora da Revista RV